Seus motivos, meus motivos e o próximo celular

Motivação é uma manifestação de insatisfação.

Uma espécie de banda elástica em tensão entre o que temos e o que desejamos.
O que nos motiva a comprar um celular novo é a insatisfação com o aparelho atual. Sem isso, você certamente não teria motivos para trocá-lo. Isto se repete e é o motivo principal da compra de um livro, da matrícula em uma faculdade, da compra de um carro, dos planos de casa, etc. Há sempre uma insatisfação por trás dessas ações.

Tomemos o marqueteiro como exemplo, seu trabalho é de provocar o maior grau de insatisfação possível. Portanto vemos propagandas de tevê com pessoas bonitas, felizes, ricas utilizando determinado produto, dando a entender que se alcance esse status por conta dele. O que nos causa ainda maior insatisfação e vende a falsa idéia de que o produto suprirá a falta que há em nossas vidas.
Preço baixo, parcelamento, condições especiais não motivam ninguém, mas podem viabilizar uma compra por impulso – quando a insatisfação cruza com a oportunidade. E é assim que se dá qualquer tipo de compra. Há uma insatisfação, vemos uma oportunidade e se não cuidarmos, a compra está feita.

Peter Drucker, o mais famoso teórico da Administração de Empresas, sintetizou um modelo de concretização de objetivos e chamou-o de SMART. Neste acróstico, a letra R significa relevância. As perguntas sugeridas por Drucker é: este objetivo é relevante para você? O objetivo é seu ou é uma forma de agradar à sociedade?
Utilizarmos desse mesmo artifício é uma boa alternativa para fugir de compras por impulso. Façam-se as mesmas perguntas.
Agora, à conclusão.

Quando a vontade fizer seus olhos brilharem faça a si as mesmas perguntas. Ao respondê-las, nos apropriamos do que há por trás de uma compra – que poderia ter sido por impulso. E com essa apropriação, nossas ações são mais centradas. Depois disso não tem mais regra. Se você tem condições financeiras, decidirá pelo sim ou pelo não, porém, de uma forma consciente.
Experimente criar o hábito de fazer essas perguntas, mas sempre em casa, longe do objeto do desejo. Suas escolhas poderão ser certas ou erradas, mas, com este nível de consciência, o nível de frustração se reduzirá.

Pense nisso.

"Rafael Baltresca"
É formado em Engenharia Eletrônica e é Practitioner em Programação Neurolinguística.
Ministra aulas para alunos universitários desde 1997. Paralelo às profissões de...

 

Clique aqui 

Informações Adicionais