Um time de alta performance?

É este um assunto sobre a qual você já ouviu inúmeros comentários, leu vários artigos, assistiu algumas palestras e ainda segue com dúvidas? Sem dúvida, não é um tema que se possa esclarecer num único texto...

Há poucos dias, ouví mais uma vez um comentário na mídia, mais uma vez com uma comparação a uma equipe esportiva.

Este paralelo entre um time de alta performance nos esportes e uma organização empresarial sempre me faz pensar no porque das pessoas recorrem a este tipo de expediente. Pois, parece-me que a relação entre os esportes e os negócios é um tanto limitada.

Chego à conclusão de que provavelmente o principal motivo seja o fato de que nos esportes, é muito mais fácil identificar um time de alta performance, pois os resultados são sempre claros no final de um período definido, seja uma partida ou um campeonato.

Já nos negócios, o período de avaliação mensal, trimestral, semestral ou anual podem ser apenas uma parcial em relação aos objetivos do negócio. Nem sempre o resultado desejado por uma empresa pode ser comparado com a de outras empresas, como num torneio. Os times não são do mesmo tamanho e os adversários nem sempre são definidos, apenas para citar duas diferenças.

O outro motivo pela qual muitos estabelecem relação com outras atividades, esportivas ou não, talvez seja o fato de nunca terem certeza de uma experiência equivalente nos negócios, ficando assim dependentes de uma referência alheia e externa à sua atividade para exemplificar um time de alta performance.

Afinal, o que determina que um time seja de alta performance nos negócios? O mais próximo que consigo imaginar é um time capaz de alcançar os objetivos da empresa de forma consistente, repetidas vezes, durante um período suficientemente longo, para estabelecer um diferencial que seja uma vantagem duradoura para os negócios da empresa.

Tal performance requer que seja atingida em diversos segmentos ou setores de negócios da empresa, sob todas intempéries do mercado e sob todas mudanças repentinas de regras, normas e regulamentações. É a China participando de um campeonato estadual dos negócios no Brasil!

Imaginem como seria um torneio de futebol sem regras de contratações, com tamanhos diferentes de times (alguns com cinco jogadores e outros com 15 jogadores?), campeonato de pontos corridos sem término, e com a participação do Real Madrid, na Série B do campeonato de futebol do meu estado do Paraná. Talvez seja uma imagem um pouco exagerada...

A idéia não é subestimar o valor das conquistas desportivas nem minimizar o valor das realizações, mas apenas indicar que a comparação entre os negócios e o esporte talvez seja uma simplificação que não traz tanta ajuda aos executivos para esclarecer como se monta um time de alta performance nos negócios.

Claro que o equivalente a contratar bons jogadores, treiná-los e motivá-los, além de outros aspectos importantes, são perfeitamente válidos.

O fato das disputas esportivas serem realizadas sob regras claras, igualitárias e rigorosas, impõe uma grande dificuldade para as equipes, que desprovidas de vantagens numéricas e materiais exclusivas, são forçadas a uma forte dependência das habilidades, competências físicas e mentais individuais. É uma avenida muito estreita e disputada para a corrida, mas diferente do mundo dos negócios.

A outra comparação muito utilizada é da organizações militares e suas situações de batalhas e guerras com os negócios. Sejam com organizações militares formais ou grupos de guerrilhas, esta comparação também tem sido muito comum. Seria em função do modelo mental que nos facilita o alcance dos objetivos quando imaginamos a figura de um oponente a ser destruído, como nos games?

Creio que a disciplina do esporte e dos grupos militares seja favorável aos negócios, mas a criatividade e a prática de inovação de uma organização militar ou policial não seria tão recomendável para os negócios.

Há muitas coisas em comum, e muitas comparações úteis com os esportes e com outras áreas que inspiram a formação de equipes de alta performance nos negócios. Mas é essencial reconhecer a complexidade distinta dos negócios para evitar a tentação das simplificações excessivas para uma questão tão complexa quanto montar equipes de alta performance nos negócios.

Confesso que sou um perna-de-pau no futebol, e mesmo o treinamento com toda vontade de vencer, junto com todo apoio dos meus companheiros do time e um excelente técnico, nunca conseguiriam tornar-me um jogador de futebol.

Mas eu ousaria apostar que alguns aspectos importantes da formação de uma equipe de alta performance nos negócios, poderiam servir para inspirar a montagem de equipes esportivas de alta performance...

O que você acha da idéia?

Escrito por Yoshio Kawakami
Para contratar este palestrante: (11) 2221-8406 ou

Clique aqui

Informações Adicionais