Uma questão de sensibilidade

Uma viajante num aeroporto foi a uma loja e comprou um pequeno pacote de biscoitos para comer enquanto lia seu jornal. Gradualmente ela percebeu um ruído. Olhando por cima do jornal, ficou espantada ao ver um homem bem vestido pegando os biscoitos que ela comprara. Sem querer fazer escândalo, ela se inclinou e pegou um biscoito também.

Depois de um ou dois minutos ela ouviu o ruído mais uma vez. Ele estava pegando mais um biscoito! A essa altura, eles já haviam chegado ao final do pacote. Ela estava irada, mas evitou dizer qualquer coisa. Então, agindo como se tivesse a intenção de agravar ainda mais a indignação da viajante, o homem quebrou o último biscoito ao meio, deixou metade para ela, comeu a outra e saiu.

Ainda furiosa, quando anunciaram o vôo, a mulher abriu sua bolsa para pegar sua passagem. Para seu choque e vexame, lá estava seu pacote de biscoitos fechado.

É fácil fazer suposições sobre o que passa à nossa volta. Esperamos que as coisas sejam sempre baseadas em uma experiência passada, o que sabemos, ou o que nos contaram sobre certa situação. Suposições nem sempre são errôneas, mas não podemos confiar nelas. Muitas vezes elas levam à vergonha e constrangimento.

O orgulho e a falta de sensibilidade levou a mulher nessa história a supor que ela estivesse certa e que o homem estivesse errado. Em vez disso sua precipitação tornou-a completamente cega no tocante à bondade dele para com ela.

Quando você encontrar-se em conflito com os outros, evite suposições precipitadas. Só fale com certeza, utilizando o seu maior grau de sensibilidade.

“É com o coração que se vê corretamente. O essencial é invisível aos olhos”. (Antoine de Saint Exupèry)

Escrito por Marcio Okabe
Para contratar este palestrante: (11) 2221-8406 ou

Clique aqui

 

Informações Adicionais